Home / Pelo Mundo  / Os Lençóis Maranhenses

Os Lençóis Maranhenses

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses ocupa uma área de 155 mil hectares e é considerado o maior parque de dunas do Brasil. Localizado na região nordeste do estado do Maranhão, o imenso tapete de

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses ocupa uma área de 155 mil hectares e é considerado o maior parque de dunas do Brasil. Localizado na região nordeste do estado do Maranhão, o imenso tapete de areia está distribuído pelos municípios de Barreirinhas, Primeira Cruz e Santo Amaro.


Localiza-se a 335 km da capital e foi criado com a finalidade de “proteger a flora, a fauna e as belezas naturais”, existentes no local.


É lindo, único, surpreende. De “deserto”, os Lençóis Maranhenses só têm mesmo a areia. Chove bastante no primeiro semestre, as chuvas abastecem o lençol freático e é o que faz as lagoas encherem, ano após ano. Lá por abril, as chuvas cessam e o sol passa a brilhar todos os dias. E então as lagoas começam, lentamente, a secar. Em meados de outubro, a maior parte estará vazia.


Para visitar os Lençóis Maranhenses em todo o seu esplendor, você precisa ir no início da época seca, antes que as lagoas evaporem. Mais detalhes a seguir! 


Curiosidades!

• São 155 hectares de parque, o maior campo de dunas da América do Sul! A cidade de São Paulo todinha, cabe no parque! 

• Na época das cheias o parque chega a ter 36 mil lagoas 😳

• O lençol freático dos Lençóis é extremamente superficial. Cavando 2 a 3 metros já encontra-se água própria para beber. Em diversos vilarejos, a população cava poços artesanais para consumo de água. 

• Boa parte da população que vive dentro do parque perto de Santo Amaro é nômade. Eles constroem casas de palha pois a cada 2 anos precisam se mudar já que com a movimentação das dunas pelo vento, suas casas ficam encobertas pelas dunas. 

• De dezembro a janeiro, devido ao calor e tempo seco, quase todas as lagoas secam. Das 36 mil, apenas 2 se mantêm com água. 

• Em 2009, um turista de São Paulo resolveu dar uma voltinha mais longa pelo parque sozinho e se perdeu nas dunas. Os guias cadastrados encontraram o homem depois de 5 horas andando desesperado e desidratado. Pode não ser uma boa decidir ir sozinho nem ‘ali pertinho’. A visão nas dunas é muito parecida em todo parque e quem não está acostumado pode realmente se perder!


COMO CHEGAR LÁ:

Fomos de Azul, no vôo mais rápido e com menos conexões! Levou quase 8 horas e na ida parou em BH. Na volta parou em Recife. Pagamos 755,00 no total.


QUANDO IR:

A alta temporada dos Lençóis Maranhenses acontece logo após as chuvas, entre os meses de abril e agosto. No auge da seca, de outubro a dezembro, quase todas as lagoas desaparecem, restam apenas 2 das 36 mil e a paisagem se transforma em um imenso deserto


SÃO LUÍS:

Ficamos 1 dia e nos hospedamos na casa Frankie, uma casa de 1860 totalmente reformada, linda, localizada no Centro histórico. 150,00 a diária e o único ponto negativo é a falta de ar condicionado. Provavelmente a estrutura elétrica das casas nem comporta. Fora isso, só pontos positivos em se hospedar no Centro Histórico! Eu acho que ali absorvemos muito da vibe das origens da cidade, as referências da arquitetura e das características do local que a colonização Portuguesa deixou.  


Os azulejos nas paredes, as escadarias, as vielas, tudo me lembrava Portugal. 


Fomos dar uma volta de carro na orla, mas pareceu muito com outras cidades do Nordeste que já visitei. Por isso recomendo e ficaria novamente no Centro Histórico. Foi uma experiência muito rica. 


Alugamos um carro para termos liberdade no deslocamento e realmente acho isso importante. Investimos menos de R$1000,00 para sete dias de viagem. Claro que, durante a nossa estadia em Atins o carro ficou parado em Barreirinhas, mas mesmo assim liberdade durante uma viagem na minha opinião é algo muito importante.


Então se for possível, recomendo que você alugue um carro e já retire no aeroporto. 


SÃO LUÍS – BARREIRINHAS:

No dia seguinte à nossa chegada, por volta das 10h00 da manhã, deixamos São Luís de carro em direção a Barreirinhas. Soubemos que haviam olarias em Rosário que valeria a pena a visita. Também tentamos parar em alguns locais em Morros para comprar artesanato feito em palha, mas não encontramos um local aberto entre meio-dia e 2h00 da tarde. Sugiro que pesquisem antes pois o artesanato em palha de buriti é lindo demais! 


Chegamos em Barreirinhas por volta das 3h30 da tarde, a tempo de fazer um sobrevoo. Escolhemos sobrevoar o Rio Preguiça pequeno os lençóis e os grandes lençóis. Segundo piloto que nos levou para o passeio fica monótono demais fazer apenas o sobrevoo sobre os lençóis. Seguimos a sua dica e o passeio foi sensacional. Pagamos R$435,00 por pessoa e leva 30 minutos.

AVA +55 98 8287-1854

Danielle 


BARREIRINHAS:

Nos hospedamos no hotel Encantes do Nordeste (recomendo!) e jantamos no restaurante Bambaê, muito gostoso por sinal. Como estávamos muito cansados por conta da viagem que levou aproximadamente 5h00, optamos por descansar e organizar a viagem para o dia seguinte. Aproveitamos que estávamos de carro e deixamos tudo que não seria útil em Atins dentro do carro, assim carregamos menos peso.


Confesso que Barreirinhas não foi uma cidade que me chamou atenção pela beleza, organização e turismo. Se você puder, pegue a primeira lancha que faz a travessia para Atins. É muito difícil sair de São Luís para chegar em Barreirinhas a tempo de pegar a travessia, por isso a necessidade de dormir na cidade. Agendamos com o Arquimedes da Satur. 


ATINS:

Embora viva do turismo, os serviços e o que Atins oferece aos turistas é bem precário. Vá preparado!


ONDE FICAR: 

Nos hospedamos na Vila Jurará, uma pousada muito bem localizada com poucos quartos, todos com ar-condicionado, sem frigobar, com café da manhã, e com ótimo custo benefício. Recomendo!


Vila Aty: embora mais afastado da rua principal, é novinho e achamos uma proposta maravilhosa pra ir em família. Tem uma piscina bem boa, área externa charmosa e restaurante com uma gastronomia bem gostosa. Foi onde tomamos o melhor drink da viagem, o drink da casa com maracujá, manga, limão e gengibre! 


Fuja das pousadas sem ar condicionado!


PASSEIOS:

Há vários passeios por Atins. O do amanhecer nas dunas, o pôr do sol, a caminhada noturna, plâncton, de quadriciclo, de cavalo, passeios de dia inteiro e alguns de 3h00. Estamos por não fazer passeios de dia inteiro pois nossa estadia em Atins não foi curta, ficamos quatro dias. Caso você tenha apenas dois dias por aqui, faça um passeio de dia inteiro para conhecer o máximo possível. 


Lembrando que esses passeios ficam bem mais caros quando forem privativos, então converse com seus vizinhos de pousada caso goste de companhias novas.


Como estávamos apenas eu e meu amigo Fabiano, as opções que as agências ofereciam, eram passeios privativos (muito mais caros). Mas nada que a comunicação não resolva. Buscamos opções coletivas e convidamos vizinhos de pousada para fazerem conosco.


Kit ideal para os passeios: água, protetor, câmera fotográfica, havaianas e roupa leve: shortinho, biquíni e canga! Homens: bermuda de banho, chinelo, boné e camiseta!


Quadriciclo: alugamos um quadriciclos para desbravar Atins, entender a localização das pousadas e curtir a vibe do transporte local. Em Atins é tudo meio espalhado, e como o sol é muito forte fica cansativo para desbravar caminhando. Alugar um quadriciclos foi muito legal, pagamos R$120,00 a hora em uma hora e meia e conhecemos bastante coisa. Todas as ruas são de areia e nos dias que estivemos aqui muitos trajetos estavam interrompidos por água, por poças gigantes de água escura, tipo um lodo. Por isso, alugar um quadriciclos se tornou ainda mais útil. Ah, também atolamos o quadriciclos num desses lodos, ops, eu atolei! Kkkkkk

Alugamos com o Hugo Victor, um menino de uns 12 anos que ajuda o pai na agência de passeios. 


Pelas dunas!

Canto de Atins e Ponta dos Mangues: são esses passeios que nos levam para as dunas! E ambos os passeios podem ser feitos separadamente e duram cerca de 3h00 ou no mesmo dia com intervalo para almoço. Normalmente você sai às 9:00 e retorna às 14:00 ou sai às 15:00 e retorna às 18:00. Indo no passeio da manhã você pode parar para almoçar! Cada passeio de 1 turno custa 100,00.


Vale muito a pena, achamos lindo e faríamos todos eles de novo. Agendamos os passeios em uma das agências locais, lá mesmo, até porque a comunicação com as agências via WhatsApp não é das mais eficientes. Os passeios de 3 horas custam R$100 por pessoa e o transporte é feito em carros tipo pau de arara, quatro por quatro.


Foi num desses passeios paramos no restaurante do Seu Antônio que é famoso pelo camarão grelhado. Ele abre o camarão, tempera bem e grelha, então fica com gostinho de defumado, cara de churrasco mesmo. É gostoso e vale a pena a parada até pra relaxar. A cocada com gengibre também é bem famosa, experimente! 120,00 o prato para duas pessoas. 


O Canto do Atins tem lagoas maravilhosas e muito altas! Água um pouco mais esverdeada que as das lagoas da Ponta dos Mangues. Foi ali que vimos o pôr do sol e foi emocionante!

A Ponta dos Mangues tem as lagoas de águas mais claras! Passeio mais bonito, na minha opinião. 


Desça as dunas correndo e se jogue na água, é uma delícia! Aproveite para subir pela duna também pra fazer um exercício. 🙂 


Os meus únicos exercícios em Atins foram subir e descer a duna e foi o que o calor permitiu que eu fizesse! É muito quente e diferente do Sul do País, então levamos um bom tempo até nos acostumarmos. 


Ainda há diversos outros que não conseguimos fazer. A Revoada dos Guarás eu amaria ter feito se tivesse mais tempo! 


ONDE COMER:

Foco no café da manhã! Não existe uma cafeteria, um lugar para comer tapioca, um açaí, sorvete, nada. Pasmem, nem tapioca (não tem outro local do Brasil com mais tapioca do que no nordeste!) a gente consegue comer pelas ruas durante a tarde. Então esteja preparado e alimente-se bem pela manhã. 


A maioria dos melhores restaurantes pega os clientes nas pousadas! Ligue para solicitar. Caso você queira ir de “uber” quadriciclo, pagará cerca de 10,00 por pessoa, por trecho. 


Vila Aty: Jantamos no restaurante da Vila Aty, uma pousada muito charmosa, bonita e um pouco afastada do centro. Alguns restaurantes contam com o transporte de quadriciclo que nos busca no hotel e nos leva de volta. Sempre que puder solicite, há muitas poças de água embarrada pelo caminho. Entradas por volta de 40,00, Pratos principais numa média de 70,00 cada. Drinks a 25,00 /30,00 e sobremesas 20,00. Vinhos A partir de R$120,00.


Hambúrguer: muita gente indicou o Jungle burguer. Não fomos, mas se você gosta de um hambúrguer bem feito, dizem que esse é o melhor local. Porém, ouvimos falar que é pequeno e relativamente caro para a região. 30,00 hamburger e 18,00 a batata. Mas um adulto come 2 facinho! Eles servem opções vegetarianas e burger sem pão, enrolado na alga nori.


Bares na beira da praia: visitamos apenas um que adoramos e acabamos repetindo a visita. É o Bar.co  que fica no final da praia, conta com uma faixa de areia fofa na frente, diferente dos outros que são um pouco mais próximos do mar e quando a maré sobe ficam dentro da água, e também conta com um gramado bem gostoso e confortável com mesas baixas para curtir o pôr do sol. No Bar.co rolam algumas festinhas! Informe-se 🙂


Massas e pizzas: o famoso em Atins é o restaurante La pizza, super charmoso com ambiente bem iluminado e a melhor pizza da cidade. O restaurante é de um italiano, ou seja, escolha certa para quem busca uma boa pizza. As massas também são bem gostosas e os pratos vão mudando conforme o dia. Foi o único restaurante onde como salada com folhas! As pizzas custam aproximadamente 85,00 e servem 2 a 3 pessoas. Pratos de massa 50 a 70,00 (individuais). Saladas de 40 a 75,00 (sem e com camarão). 


Lanchinhos de praia: Sempre gosto de carregar lanchinho para praia como castanhas, frutas secas e barrinha de proteína. Isso me ajuda a não chegar morrendo de fome na próxima refeição. Aqui pela praia não encontrei muitas opções de lanche exceto nos bares, mas quero destacar um encontro muito bacana que eu tive com Alejandra que passou por mim oferecendo Brownie vegano feito por ela. Ela é colombiana, faz brownie e vende na praia para viver. Mora em um camping Por aqui e tem uma história muito bonita. Se você encontrá-la na praia, incentive comprando o seu brownie, que é uma delícia, e conversar um pouquinho com ela. Essas conexões são muito legais. Me conectei com ela pelo amor à alimentação saudável. 


Charm chalés: bem localizado, restaurante muito saboroso (a melhor comida da viagem embora o ambiente não seja o mais charmoso!). Pedi a moqueca e o Fabi pediu o peixe com purê rústico, ambos deliciosos! Essa pousada parece confortável e tem piscina.


CURIOSIDADES E DICAS GERAIS


O que levar? 


Meu kit básico para 1 semana é: 

* Biquínis

* 2 cangas pois vão ficando nojentas com o passar dos dias e em ambientes muito úmidos elas não secam muito bem

* 2 havaianas, 1 tênis e 1 rasteirinha 

* Repelente (muito e dos fortes! Eu uso óleo essencial de citronela em difusores de tomada. Levei comigo e funcionou muito bem!)

* Protetor solar (usei fator 50 e 60 e me queimei!) 

* Medicamentos básicos: Atins é muito precário!

* Mochila, bolsa ou sacola para os passeios. Usei minha sacola de palha molinha o tempo todo e foi super útil.

* Sacola extra (tipo sacola ecológica). Não ocupam espaço na mala e pode ser bacana para acomodar suas cerâmicas no avião, na volta pra casa hehehe senti falta de uma e não, não encontrei pra comprar em Atins!

* Óculos de sol

* Creme para o cabelo e prendedores. Se não quiser que seu cabelo vire um nó único, prenda quando estiver nos carros e quadriciclos. 

* Um casaquinho bem leve

* Vestidos, macaquinhos leves, peças únicas ajudam muito na montagem de uma mala de mão. 

* Roupas de linho, são leves, confortáveis além de charmosas e elegantes. Vão deixar suas fotos ainda mais lindas 

* Shampoo, condicionador, sabonete (leve um pedacinho de sabão de coco na mala se você prefere lavar algumas roupas ou a própria canga e usar a mesma no dia seguinte!)

* Make leve, óbvio! 

* Castanhas, barrinha de cereal ou de proteína…viajei em julho de 2021 e pasmem, não há como comprar um lanche, comer uma tapioca ou um sorvete no meio da tarde em Atins. Juro! Então, esteja com snacks não bolsa ou não sinta fome até o jantar. 

* Protetor auricular. Esse poderia ser meu item número 1! Sempre viajo com eles. Me ajudam a dormir no voo e a pegar no sono em lugares barulhentos ou com mosquitos. 


Itens extras que podem ajudar:

* Adaptador de tomada

* Carregador portátil para celular (não vivo sem)

* Câmera subaquática se você tiver 

* Bolinhas protetoras para câmera e celular. Em dias de muito vento, proteja sua câmera da areia!

* Roupas com proteção solar, boné, chapéu… eu não uso e não senti falta mas muita gente pode querer levar. 


Animais: deixe o medo de rãs e sapos em casa. Nunca vi tantos quanto em Atins! É o habitat deles! Você vai encontrar no banheiro, no restaurante, na praia, no quadriciclo e pelas ruas. Fora isso, insetos estão em todos os lugares e os burrinhos e jegues também. Não há tantos gatos quanto em outras cidades do nordeste. 


Telefonia e internet: não espere por isso! Atins vai te obrigar a desligar já que o telefone não pega e a internet só funciona através do Wi-Fi das pousadas. Leve um carregador portátil e esteja sempre com ele carregado! Quando fomos, faltou luz em toda a cidade por quase 24 horas. As pessoas nos passeios não tinham bateria para registrar as paisagens lindas e ninguém conseguia pagar as agências ! Heheheh foi bem caótico mas disseram que não é comum a falta de luz. Em alguns locais das dunas, estranhamente, surgia sinal de 3G da Vivo. Percebíamos pois as mensagens começavam a entrar, mas acredite, fazer uma ligação de dentro do parque será praticamente impossível! Acredito que todas as pousadas já ofereçam Wi-Fi aos hóspedes. 


Dinheiro? Cartão de crédito? Nada disso mais precisa, todo mundo aceita pix! E como o 4G não funciona em Atins, pix resolve tudo e todos já aderiram. 


Seja consciente e preserve a natureza: não deixe lixo nas dunas e cuide com seus pertences, latas, sacolas e garrafas plásticas durante o passeio de carro. Os carros são abertos e muita coisa pode voar e deixar plástico pela natureza não é legal, né? Deixe a duna levando todo seu lixo!


Não se aventure sozinho pelas dunas: é perrengue na certa. Além de ser muito quente, a chance de se perder é enorme! Lá dentro fica muito difícil se localizar já que a paisagem é muito semelhante, e o resgate será complicado já que a internet não pega nas dunas! 


Se jogue e essa aventura! Vá em família, vá com amigos, leve as crianças! É um passeio lindo e que todos vão curtir!!


Aproveitem 🙂






@sow.gn é uma curadoria da Mari Weckerle, a @gurianatureba.

Você já nos segue no Instagram? Confere os outros posts, você vai amar!

Clica aqui para conferir outros posts sobre viagens.

[email protected]

Mari Weckerle é arquiteta, gaúcha e especialista em gastronomia saudável! É a Criadora da Plataforma Digital Guria Natureba e curadora da SOW!

Visão geral da revisão
SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta