Home / Lifestyle  / A importância da alimentação para seus ciclos menstruais

A importância da alimentação para seus ciclos menstruais

Você sabia que a nossa saúde hormonal e nossos ciclos são reflexos diretos da nossa alimentação? Seus níveis de disposição e energia ao longo do ciclo, sua regularidade, quantidade de fluxo, cólicas, TPM… Provavelmente o

Você sabia que a nossa saúde hormonal e nossos ciclos são reflexos diretos da nossa alimentação? Seus níveis de disposição e energia ao longo do ciclo, sua regularidade, quantidade de fluxo, cólicas, TPM… Provavelmente o que você come e bebe define em boa parte como tudo isso é pra você.


Primeiramente, esse texto é de informações generalistas sobre alimentação e sua relação com nossos ciclos. Portanto, não é de orientação individual. Aliás, a única profissional que pode definir com você um plano alimentar é uma nutricionista, ok?


Embora dietas restritivas muitas vezes entrem “na moda”, nosso corpo é basicamente o mesmo há milhares de anos. Especificamente para as mulheres, há uma maior necessidade de energia e nutrientes para uma tarefa cíclica: produzir hormônios.


À primeira vista, essa pode parecer uma tarefa banal, né? Porém, nossos hormônios são extremamente sofisticados e são necessários para a nossa saúde e disposição como um todo – e não só para produzir nosso ciclo menstrual. Por isso, produzir estrogênio e progesterona de forma equilibrada todos os meses exige muitos recursos e nutrientes. E de onde eles vêm? Do nosso prato!


Pois bem: quando falamos em comer com qualidade, a gente já tem uma noção de que estamos nos referindo a comida “de verdade”, certo? Um prato colorido, com comidas nutritivas e não processadas. Mas, muitas vezes, esquecemos que a quantidade também importa e muito! Quantas vezes naturalizamos o “comer feito passarinho” para as mulheres?


Não é à toa que muitas vivem ciclos irregulares ou param de menstruar por falta de calorias, nutrientes ou por taxas de gordura corporal muito abaixo do saudável. Sabia que a gordura é importantíssima para a produção dos nossos hormônios? Inclusive, baixo percentual de gordura corporal ou restrição calórica são umas das principais causas de amenorreia hipotalâmica funcional. Quê isso, Vic? Bom, é a ausência de menstruação e de ovulação por comprometimento do eixo de comunicação entre nosso cérebro e nossos ovários. 


Portanto, nós, que ciclamos, precisamos de gorduras, carboidratos, proteínas e micronutrientes, as vitaminas e os minerais. E, muitas vezes, de forma mais específica, e sempre em boas quantidades. Por isso, trago algumas dicas de alimentos para incorporar ou evitar na alimentação para ciclos mais saudáveis:


Para ajudar na regularização do ciclo:

• Além das fontes animais, vegetais de folhas verdes escuras, castanhas, levedo de cerveja, gergelim e semente de abóbora possuem cálcio, zinco e magnésio. Esses nutrientes minerais são essenciais para uma produção hormonal.

• Fontes de gorduras boas: alimentos ricos em ômega-3, gergelim, abacate, coco, ovos, azeite de oliva, chocolate amargo…


Para evitar cólicas:

• Opte por alimentos mais leves, de fácil digestão e que sejam também ricos em magnésio e em ferro.

• Evite frituras, cafeína e excesso de açúcares e gorduras especialmente na fase pré-menstrual. Esses alimentos podem aumentar a inflamação e intensificar as cólicas.


Para quem sofre de TPM:

• Consuma bananas, aveia, arroz integral, cacau, semente de girassol, gema de ovo, vegetais de folhas verdes. Esses alimentos são ricos em vitamina B6 e/ou triptofano, vitamina e aminoácidos essenciais para a nossa produção de serotonina, neurotransmissor do nosso bem-estar!

• Evite bebidas alcóolicas, que sobrecarregam o fígado e prejudicam a detoxicação do excesso de estrogênio.


E aí, gostou das dicas?




@sow.gn é uma curadoria da Mari Weckerle, a @gurianatureba.

Você já nos segue no Instagram? Confere os outros posts, você vai amar!

Clica aqui para conferir outros posts sobre sexualidade.

[email protected]

Educadora menstrual, empreendedora social cofundadora da Escola da Menstruação e bióloga e professora de formação. Também é criadora da Diga Vulva, onde escreve e cria conteúdo sobre saúde, ciclos femininos e sexualidade. Acredita no poder do autoconhecimento e na visão positiva do corpo feminino. | @digavulva

Visão geral da revisão
SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta